Diário de um fim de semana em Évora

PHOTO BY KATI DAWSON

Oi minha gente! O mês passado decidimos explorar uma nova região de Portugal que não conhecíamos. Assim que fomos liberados pelo governo para atravessar os concelhos (municípios), começamos a nos planejar. Foi uma viagem curta para a nossa família, mas aproveitamos ao máximo o que estava à nossa disposição. Não diria que esse post consegue cobrir todas as atrações e pontos turísticos, mas pode dar a vocês uma ideia do que esperar.

Então, vamos ao que interessa. De origem nos tempos da ocupação romana, Évora é uma das cidades portuguesas mais antigas e também a capital do distrito de ÉVORA, no coração do Alentejo. Com uma rica história da arte portuguesa, ela é um dos destinos preferidos dos turistas nacionais e estrangeiros.

Então, chegamos lá numa sexta-feira, por volta das 21h e fomos direto para o nosso Airbnb alugado. A propósito, conseguimos um local no centro da cidade, próximo de tudo e com um preço muito acessível. Vale a pena programar a viagem com antecedência, pois assim você se permite ver com calma, todas as opções e preços de estadia e passeios que cabem no seu orçamento.

Nesse mesmo dia ficamos o restante da noite dentro do apartamento, com a nossa cria.  Como muitos restaurantes já estavam pra fechar, optamos por fazer uma noite de pizza e filme com eles, guardando nossa energia para o dia seguinte. Se você tem filhos que já estudam história na escola, minha dica é que você contextualize a exploração local de maneira leve e divertida, fazendo conexões – dentro do que eles conseguem absorver – entre o mundo antigo e o contemporâneo. Afinal, aprender história não precisa ser algo entediante!

No sábado, passamos o dia andando pelo centro e foi onde tiramos a maioria das nossas fotos. Cada lugarzinho de Évora inspira e te leva numa viagem ao tempo. Começamos pela igreja de Santo Antão, próximo ao chafariz da Praça do Giraldo, seguindo por ruas de pedras estreitas até a Igreja de Nossa Senhora da Graça – construída no século XV em estilo renascentista italiano – e o claustro adjacente do mosteiro de XVII.

Passamos também pela belíssima Igreja de São Francisco – com seu estilo gótico-manuelino – e pela a Capela dos Ossos, que, apesar de parecer assustadora, é considerada um dos monumentos mais conhecidos de Évora. Nela você vai encontrar mais de 5.000 ossos e crânios de monges que decoram o seu interior e te convidam a refletir sobre a transitoriedade da vida. Ah, e o grandioso Templo Romano do Século I, (considerado Patrimônio Mundial pela UNESCO desde 1986), que é uma das mais importantes ruínas históricas do país.

Para finalizar nosso tempo no Alentejo, visitamos o Mercado Municipal, a catedral de Évora (minha favorita), o Centro de Arte e Cultura Eugênio de Almeida e por último, mas não menos importante, o Cromeleque dos Almendres, o maior monumento pré-histórico megalítico de toda a Península Ibérica (do 4°/6° milênio).

Apesar de não termos conseguido ver tudo que se tem pra ver em Évora, voltamos pra Cascais com uma sensação de termos saído de um livro fascinante sobre a linha do tempo. E ainda por cima, aproveitamos um fim de semana de qualidade em família, o que sempre vai valer a pena!

Publicado por katidawson

Esposa de David, mãe da Emily, Gabriel e Laura. Falo sobre lifestyle e desafios de um casamento transcultural e uma família internacional.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: